Mostrando postagens com marcador Brasil. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Brasil. Mostrar todas as postagens

quinta-feira, 16 de setembro de 2021

TSW apresenta nova Full Quest TR Fast 21/22 com geometria de alto desempenho

Nova Full Quest TR Fast 21/22 com geometria de alto desempenho - Foto: TSW Bike / Divulgação


A TSW acaba de apresentar a bicicleta TSW Full Quest TR Fast 21/22, mais uma novidade na sua linha de bicicletas. A bike chega com quadro totalmente em fibra de carbono com construção monocoque, geometria moderna e um paco de componentes que associa custo competitivo e muito desempenho.

A apresentação da TSW Full Quest TR Fast 21/22 acontece menos de dez dias após a divulgação de outro modelo da marca: a Full Quest Starter.

Seguindo as últimas tendências do mercado, a TSW Full Quest TR Fast utiliza suspensões com mais curso do que uma XC tradicional, para quem quer controle total nas descidas. Além disso, ela aposta no novíssimo acabamento com efeito rainbow, também conhecido como "camaleão", que chama atenção pela beleza e pela qualidade.

Geometria da nova TSW Full Quest TR Fast para trilhas mais agressivas


Nos últimos anos, as geometrias das bicicletas de trilha passaram por um processo de modernização. Com a filosofia do long, low e slack, além de ficarem mais baixas, as bicicletas ganharam comprimento no triângulo dianteiro, e uma angulação mais relaxada na caixa de direção, tudo para garantir mais controle em trilhas super inclinadas e técnicas.



A TSW Full Quest TR Fast conta com 120mm de curso na suspensão dianteira RockShox Recon Silver RL e 100mm de curso na traseira. Dessa forma, a bicicleta encaixa-se perfeitamente na categoria XC, sendo super indicada para quem quer fazer trilhas que vão além do XC tradicional, com desafios técnicos como drops, rock gardens e inclinados que exigem confiança do piloto.

De acordo com a TSW, o coração Full Quest TR Fast é o exclusivo quadro da marca, que aposta em uma suspensão traseira com sistema horst-link sem pivô, com 100mm de curso que usa a flexibilidade do seat-stay para garantir o bom funcionamento, usando o eixo como pivô, possibilitando a redução de peso e diminuição da manutenção.

Além disso, a nova Full Quest TR Fast conta com construção de última geração com eixos boost passantes, caixa cônica e cabeamento interno.

A caixa de direção, por exemplo, tem 67 graus de inclinação, o que melhora a estabilidade em altas velocidades. Mas, com um alcance generoso de 475 mm no tamanho M, a nova Full Quest TR Fast 21/22  coloca o peso do piloto bem centralizado entre os eixos, e é aí que mora o segredo para manter o controle mesmo nas trilhas mais desafiadoras

Sobre os componentes da nova TSW Full Quest TR Fast


Para manter o nível elevado em sua nova linha de bicicletas full-suspension de carbono, a TSW apostou em um pacote de componentes de alto rendimento para a TSW Full Quest TR Fast 21/22.

Ela vem equipada com transmissão Shimano Deore M6100 de 12 velocidades, completo com câmbio traseiro, cassete 10-51 microspline e pedivela com braços de 170mm, que ajuda a evitar que os pedais batam em pedras ou outros obstáculos - o passador de trocas é SLX.



O Deore M6100 utiliza muitas das tecnologias encontradas no XTR M9100, inclusive o câmbio traseiro com polias grandes e sistema de engate Hyperglide +, que permite trocas de marcha precisas, mesmo sem aliviar a pressão nos pedais. 

Para absolver o terreno sem dificuldades, ela aposta no garfo RockShox Recon Silver RL com 120 mm com mola de ar Solo Air e sistema hidráulico Motion Control. TSW Full Quest TR Fast 21/22, o garfo e o shock RockShox SIDLuxe  Select + podem ser travados remotamente, pela trava de guidão.



Para garantir o controle em todas as situações, a mesa é mais curta, de 70mm, e o guidão tem 740 mm de largura. Além disso, os aros WTB ST I30 Tubeless de 30 mm de largura interna, calçando pneus Vittoria, garantem a aderência e a estabilidade, já que aros mais largos aumentam a área de contato do pneu no chão, além de permitirem o uso de pressões menores, sem que os pneus flexionem lateralmente. 

Ficha técnica resumida da TSW Full Quest TR Fast 21/22


Quadro: 29” | TSW Full Quest | Full Suspension | Carbono | Monocoque | Link e Triângulo traseiro carbono | Direção Tapered | Disc brake post mount | Boost 148x12mm THRU AXLE | Curso traseiro 100mm | Press-Fit 
Garfo: 29” | RockShox Recon Silver RL | 120 mm | Solo Air | Tapered | 15 x 110 mm | Offset 51 mm
Shock: RockShox SIDluxe Select + | 165 x 40 mm | Trava Remota
Transmissão: Shimano Deore M6100 12 velocidades
Rodas: WTB ST I30 | Tubeless Ready | 30 mm largura interna / Raio Inox 
Pneus: Vittoria
Peso: 13.35 Kg
Preço sugerido: R$22.999,00

Fotos: TSW Bike / Divulgação

Leia mais...

terça-feira, 14 de setembro de 2021

Redução da carga tributária de bicicletas vira projeto de lei no Brasil



A Comissão de Direitos Humanos e Legislação Participativa (CDH) transformou em projeto de lei a sugestão legislativa que pede a redução da carga tributária da cadeia produtiva de bicicletas no Brasil. A aprovação aconteceu nesta segunda-feira, 13 de setembro, e começará a tramitar pela CDH assim que receber o número de projeto.

A sugestão legislativa SG 21/2020 foi apresentada pelo internauta André Fraga em 2 de junho de 2020 e recebeu mais de 20 mil assinaturas de apoio em cerca de quatro meses. O senador Paulo Paim (PT-RS) foi o relator e deu parecer favorável à sugestão.

Como justificativa para sugestão legislativa, André Fraga ressaltou que os impostos sobre as bicicletas não incentivam à compra e impedem lojas e industrias de crescerem.

"Enquanto nos países que incentivam a bicicleta, lojas e indústrias crescem, no Brasil, metade das lojas tiveram queda no faturamento, igual ou superior a 50%. Estima-se que a desoneração tributária para o setor representaria incremento de 14% apenas sobre o consumo de bicicletas, sem contar nos benefícios em cascata da economia de rede", argumentou André.

Em fevereiro de 2021 chegou a ser publicada no Diário Oficial da União a redução do imposto de importação de bicicletas, mas em março do mesmo ano a medida foi revogada.

Reduzir os impostos favorece o uso da bicicleta


Em seu parecer, o senador Paulo Paim reconheceu que "é inegável a importância de fomentar o uso de bicicletas no País em linha com o que defendido na Ideia Legislativa sob análise desta Comissão".

Paim citou o estudo Análise Econômica do Setor de Bicicletas e suas Regras Tributárias, encomendado pela Associação Brasileira dos Fabricantes de Motocicletas, Ciclomotores, Motonetas, Bicicletas e Similares (Abraciclo) à Tendências Consultoria Integrada, em 2013. O estudo traz as principais características do setor e evidencia como a redução da carga tributária pode proporcionar benefícios aos consumidores, fabricantes, distribuidores e ao governo.

O estudo também destaca a cidade de Bogotá, na Colômbia, que passa por uma ampla reformulação do transporte público desde o final da década de 1990 e percebe o aumento do uso de bicicletas e as políticas de desestímulo ao uso de automóvel. O trabalho também ressalta que no Brasil as condições para o uso de bicicletas não são favoráveis devido aos preços elevados – em grande parte por conta da alta carga tributária – e pouca infraestrutura cicloviária.

"Esses exemplos revelam a importância de se avançar nesse setor no Brasil, de sorte a colher esses benefícios que o estímulo às bicicletas acarreta a toda população", afirmou o senador Paulo Paim. 

"Com esse propósito, a Associação Brasileira do Setor de Bicicletas (Aliança Bike) lançou um conjunto de 10 propostas, que incluem, entre outras, a ampliação da rede de ciclovias, a criação de linha de crédito para financiar a aquisição de bicicletas, a implementação de um programa nacional de fortalecimento da economia verde e a redução da carga tributária sobre as bicicletas", disse o senador.

Paim também reconheceu a alta carga tributária sobre as bicicletas e que o Congresso Nacional deve atuar para "incentivar a aquisição de bicicletas por meio da desoneração de parte dos tributos incidente sobre a cadeia produtiva". O senador ainda defendeu a redução que a redução dos impostos atinja não só as bicicletas convencionais, mas também as elétricas. "É inegável que, como meio de transporte, a bicicleta elétrica, inclusive para fins de mobilidade urbana, pode e deve ter sua entrada no País e produção incentivados".

À Agência Senado, o presidente da CDH, senador Humberto Costa (PT-PE), afirmou que a medida poderá incentivar o uso de bicicletas, ajudando a diminuir a poluição ao mesmo tempo que alavanca o uso de veículo barato e que faz bem à saúde do usuário.
Leia mais...

quinta-feira, 9 de setembro de 2021

Campeão brasileiro, Vitor Zucco decide abandonar ciclismo competitivo

Vitor Zucco vai deixar ciclismo competitivo - Foto: Luis Claudio Antunes / CBC


Campeão brasileiro de ciclismo de estrada, Vitor Zucco (23 anos) anunciou no dia 8 de setembro que vai deixar o ciclismo competitivo em 2022. O jovem é tido como uma grande revelação do ciclismo do Brasil e sua declaração foi recebida com surpresa.

"Não cheguei até aonde queria e sonhava em chegar. Mais (sic) só tenho a agradecer pelas oportunidades e tudo que tenho vivido", disse Zucco em uma de suas redes sociais ao anunciar o encerramento de sua carreira no ciclismo competitivo.

Desde 2020 Vitor Zucco compete pela equipe irlandesa EvoPro Cycling e ele tinha como um de seus principais objetivos buscar pontos UCI para conquistar um lugar na categoria Pro Continental, segunda divisão do ciclismo mundial.

"Competir já não me satisfaz como uma vez me satisfazia. Estou saindo do esporte com a cabeça erguida e feliz", disse Vitor que ainda agradeceu pelo apoio.


Foto: Luis Claudio Antunes / CBC
Leia mais...

quarta-feira, 8 de setembro de 2021

Nova TSW Full Quest Starter alia tecnologia e beleza para acelerar nas trilhas técnicas

Nova TSW Full Quest Starter - Foto: TSW Bike / Divulgação


A TSW acaba de divulgar a nova Full Quest Starter 21/22 uma bicicleta voltada para quem quer acelerar nas trilhas mais técnicas em qualquer condição de uso. A bike é montada ao redor de um novo quadro de fibra de carbono com suspensão integral e construção monocoque.

Trata-se de uma bike capaz de levar você para treinos e competições de XCO e XCM com a mesma desenvoltura para encarar trilhas técnicas e desafiadoras daquele pedal épico com os amigos.

Atleta da TSW Racing Team, Hercilia Najara Ferreira estreou a sua TSW Full Quest com vitória na etapa Rio da Taça Brasil no dia 8 de agosto e descreveu relatou uma sensação muito boa ao pilotar a nova bicicleta.

“Ainda não consigo expressar com palavras a felicidade que estou sentindo por ter a oportunidade de pilotar essa bike”, disse Hercilia Najara sobre a nova TSW Full Quest às vésperas da competição.

O coração da TSW Full Quest Starter 21/22 e é o novo quadro monocoque com suspensão integral da TSW Bike, que aposta em uma geometria moderna, uma suspensão de 120mm e em um avançado sistema de suspensão traseira para oferecer um ótimo rendimento nas subidas, mas uma dose extra de controle e confiança para as trilhas mais técnicas.

Detalhes do Downtube da TSW Full Quest Starter - Foto: TSW Bike / Divulgação


A construção com técnicas superavançadas permitiu criar uma suspensão traseira horst-link sem pivô, com 100mm de curso, que usa a flexibilidade do seat-stay para garantir o bom funcionamento. Usando o eixo como pivô, é possível reduzir o peso e diminuir a manutenção.

Geometria da nova TSW Full Quest Starter segue últimas tendências do mercado


Não é só a beleza que atrai o olhar de quem vê a Full Quest: sua geometria tem o que há demais moderno em termos de projeto. Ela aposta no espaçamento boost dos eixos e na caixa cônica para oferecer mais rigidez, eficiência de pedalada e precisão na pilotagem.

A beleza em si fica por conta do cabeamento interno refinado e da pintura vermelha com detalhes em preto que harmonizam com as rodas e com o cockpit. Mas, sem sombra de dúvidas, o maior destaque da TSW Full Quest certamente fica por conta de seus ângulos e comprimentos.

Com uma caixa de direção angulada em 68 graus e com espaçosos 430mm de alcance no tamanho M, a nova Full Quest Starter 21/22 ainda utiliza uma mesa mais curta, de 70mm, para encarar Rock Gardens, trilhas inclinadas e altas velocidades sem dificuldades.

Dados da TSW Full Quest Starter 21/22 -  Foto: TSW Bike / Divulgação


Mas, com um seat-tube angulado em 74.5 graus e com um chainstay de 438mm de comprimento, a bike é ágil e roda em alta velocidade em trechos planos e também nas subidas mais íngremes e desafiadoras. 

Nova TSW Full Quest com componentes de entrada no alto desempenho


O pacote de componentes da nova TSW Full Quest Starter 21/22 toma como base a transmissão mais destacada da atualidade, quando falamos em relação custo benefício com desempenho. Trata-se do Shimano Deore M6100 de 12 velocidades, um grupo que possui as tecnologias de auto desempenho da Shimano, tendo de diferente os materiais, consequente peso e resistência, inclusive o câmbio traseiro com polias grandes e sistema de engates Hyperglide +, que permite trocas de marcha precisas, sem aliviar a força nos pedais. 

Uma das maiores vantagens deste grupo é seu cassete 10-51 de grande amplitude, com freehub microspline, com as trocas sendo realizadas por um trocador da mesma linha. Além disso, a TSW equipou a Full Quest Starter com pedivela de 170mm, que permite um giro mais eficiente, e menos risco de bater o pedal em pedras e obstáculos.

Detalhes da suspensão e shock RockShox da Full Quest Starter -  Foto: TSW Bike / Divulgação


Tudo isso aliado à suspensão RockShox Recon Silver RL com 120 mm de curso, Solo Air, sistema hidráulico Motion Control e trava remota no guidão e ao shock traseiro RockShox Deluxe Select + possui duas opções de funcionamento e proporciona 100mm de curso deixou a Full Quest Starter fácil de controlar nas descidas.

Rodas e cubos da nova Full Quest Starter 21/22


As rodas são montadas com cubos Shimano no espaçamento boost e aros WTB ST I30 Tubeless de 30 mm de largura interna, calçando pneus Vittoria. Por serem mais largos, estes aros melhoram a estabilidade da bike e a aderência dos pneus, que ganham uma maior área de contato e a possibilidade de rodar com menos pressão sem dobrar.

O cockpit é todo em alumínio, contando com uma mesa de 70mm de comprimento e um guidão de 740 de largura, completo com manoplas de espuma super leves e confortáveis. Para segurar o ímpeto dos pilotos mais agressivos, o modelo vem equipado com freios Shimano MT4100 de acionamento hidráulico.

Ficha técnica resumida da TSW Full Quest Starter 21/22


Quadro: 29” | TSW Full Quest | Full Suspension | Carbono | Monocoque | Link e Triângulo traseiro carbono | Direção Tapered | Disc brake post mount | Boost 148x12mm THRU AXLE | Curso traseiro 100mm | Press-Fit 
Suspensão: 29” | RockShox Recon Silver RL | 120 mm | Solo Air | Tapered | 15 x 110 mm | Offset 51 mm
Shock: RockShox Deluxe Select + | 165 x 40 mm | Duas posições de compressão
Transmissão: Shimano Deore M6100 12 velocidades
Rodas: WTB ST I30 | Tubeless Ready | 30 mm largura interna / Raio Inox
Pneus: Vittoria
Peso: 13.74 Kg
Preço sugerido: R$21.999,00

Fotos: TSW Bike / Divulgação
Leia mais...

quinta-feira, 26 de agosto de 2021

Bicicletas da KTM chegam ao mercado brasileiro por meio da 2W Motors

O Grupo 2W Motors anunciou que é o importador oficial da KTM Bikes no Brasil. As bicicletas já estão à venda no showroom do grupo

KTM Bikes chega ao Brasil por meio da 2W Motors - Foto: Divulgação


Em tempos nos quais a bicicleta deixou de ser apenas um equipamento de lazer e tornou-se um veículo de trabalho e um dos meios de transporte que mais têm atraído a atenção nos grandes centros urbanos, o Grupo 2W Motors anuncia que é o importador oficial da KTM Bike Industries no país. Os amantes da marca poderão pedalar em uma dessas preciosidades “Made in Áustria”, de alta performance e design arrojado, sem precisar buscar no exterior.

“A chegada da KTM Bikes faz parte dos planos de expansão da 2W Motors, com o incremento de mais uma marca no nosso portfólio de bicicletas. Escolhemos a marca em função do vínculo com os produtos off-road que comercializamos e por ser de renome, ter muito apelo na gama que atuamos e, principalmente, vinculado aos clientes que temos da Fantic, além das motocicletas da linha off-road da Husqvarna”, explica Raul Fernandes Jr, um dos sócios do grupo já consagrado por ser uma das referências no segmento de duas rodas.

Ao lado do irmão Maurício Fernandes, Raul comanda o grupo que representa também a italiana Fantic, que produz bicicletas elétricas (e-bikes) e que chegou ao Brasil há um ano.

Os modelos que estão sendo comercializados no showroom do grupo, no bairro de Moema, em São Paulo, são os da linha urban, road, mountain e, ainda kids. Entre eles: Wild Buddy 12, Chicago Disk 292, Chicago Disk 291, Ultra Sport 29, Scarp MT Exonic, Revelator Alto Elite, Revelator Alto Pro e a Revelator Alto Master (réplica usada no Tour de France – maior corrida de ciclismo de mundo que está acontece na França).

KTM Revelator Alto Master - Foto: Divulgação


Os valores variam de acordo com o modelo e o nível de ciclística. Para os iniciantes MTB é possível adquirir uma Chicago Disk 292, a partir de R$ 4.990,00. Uma bike em alumínio, versátil, de aro 29 e indicada para trilhas de mountain bike.

“Realmente fiquei surpreso com a finesse e a performance dos dois modelos. Já nos primeiros treinos melhorei meus tempos. As bikes evoluíram muito com a inclusão da marca no Tour de France, mundial de MTB”, explica Maurício referindo-se aos treinos na Revelator Alto Master e na Scarp MT Exonic. O empresário que também é piloto, concilia a sua rotina no grupo com as competições de Enduro e Rali, Brasil afora.

Sobre a KTM Bikes


A marca nasceu, em 1934, em uma oficina mecânica na cidade de Mattighfen, na Áustria. Mas foi em 1964 que começaram a ser produzidas as primeiras bicicletas da KTM Bike Industries, o modelo Fleetwing chega a ser comercializado nos EUA. Em 1978 veio a primeira bike de estrada (Fórmula S) e 10 anos depois, começa a ser fabricada a primeira mountain bike (Ultra Cross 1988).

Já a as bicicletas elétricas entraram na produção a partir de 1994. Mas foi em 2006 que as primeiras bikes com chassis full-carbon chegaram ao mercado e com sistema PDS (Prowler AT1). Após três anos, a marca apresenta a primeira e-montain bike (eRace 2010).

O empresário Raul Fernandes Jr com uma KTM Revelator Alto Elite - Foto: Divulgação
Empresário Raul Fernandes Jr com a KTM Revelator Alto Elite - Foto: Divulgação
Também conhecida como KTM Fahrrad GmbH, a empresa orgulha-se em rotular as bikes fabricadas com “Made in Áustria” que representam a história da KTM e seus produtos de design e tecnologia de ponta. Atualmente a empresa produz aproximadamente 240 mil bicicletas ao ano, destas 60% são de e-bikes.

Embaixador das marcas


Com mais de três décadas no segmento de duas rodas, seja como piloto de motos e de bikes, apresentador, comentarista e consultor esportivo, o paulistano Luciano Lancellotti, o KDRa, foi escolhido pelo grupo para ser o embaixador das duas marcas no Brasil: KTM Bikes e Fantic. Lancellotti diz estar feliz e muito honrado por poder trabalhar com a 2W Motors, a partir desta temporada. 

“KTM é uma marca de muita importância já no cenário da motocicleta e agrega um grande valor ao mercado nacional das bikes por ser uma marca icônica, assim como a Fantic, do cenário das motocicletas que também produz bicicletas de primeira linha e vai de encontro com o objetivo do grupo”, afirma.

Sobre o Grupo 2W Motors


Os irmãos Raul Fernandes Jr e Mauricio Fernandes são conhecidos por representarem marcas de peso do mercado mundial e transformaram a 2W Motors no grupo referência no Brasil, quando o assunto é duas rodas. Tudo começou em 2011, quando criaram a BMW Power Motorrad e um ano depois a Triple Triumph e, a partir de 2015, passaram a representar a Husqvarna Motorcycles no Brasil.

Em 2017 nasceu a 2W Motors, grupo sob direção de Raul, Maurício e, ainda, pela irmã mais nova Marcela Fernandes. Um ano depois inauguraram a Power Husky, em São Paulo, concessionária Flagship Husqvarna que trabalha com todos os modelos disponíveis no mercado internacional.

A partir de 2020, o grupo entrou também no mercado de bicicletas elétricas ao trazer a italiana Fantic para o país. Já em 2021, foi a vez da KTM Bikes, a tradicional marca austríaca, fazer parte da 2W Motors.

As bicicletas da KTM estão disponíveis para pronta entrega no showroom à Avenida Indianópolis, 564, Moema/SP e também podem ser adquiridas pelo e-commerce.

Mais informações pelo e-mail contato@2wmotors.com.br ou ainda no www.ktmbikesbrasil.com.brFacebook/KTM Bikes Brasil e Instagram @ktmbikesbr.
Leia mais...

segunda-feira, 2 de agosto de 2021

Pesquisa inédita revela número estimado de bicicletas no Brasil

Pesquisa inédita revela número estimado de bicicletas no Brasil - Foto: Fabrício Macedo / Pixabay


Uma pesquisa feita pela especialista em mobilidade urbana e fundadora da Multiplicidade Mobilidade Urbana, Glaucia Pereira, revela que o Brasil tem uma frota estimada de mais de 33 milhões de bicicletas. O trabalho apresenta ainda Vitória (ES), Campo Grande (MS) e Aracaju (SE) como as três cidades brasileiras com maior concentração de bikes.

De acordo com Glaucia, “o trabalho apresenta dados inéditos da frota de bicicletas no Brasil, que podem ser usados para diagnóstico de mobilidade urbana em relação à população a outros modos de transporte, e para desenvolvimento de políticas públicas baseadas em evidências”.

A pesquisa estima que o Brasil tenha 33.230.198 bicicletas, o que representa a média de 16 bicicletas para cada 100 habitantes.

Uma das grandes dificuldades em determinar com exatidão o número de bicicletas no Brasil é o fato de que esse é um veículo que não precisa de registro administrativo, como os carros, por exemplo. Para chegar ao resultado da pesquisa, Glaucia Pereira usou dados da Pesquisa de Orçamentos Familiares 2017-2018 (POF) do Instituto Nacional de Geografia e Estatística (IBGE) divulgados em 2019.

“Vale ressaltar que a POF possui metodologia domiciliar. Assim, é provável que o dado aqui estimado não inclua bicicletas presentes em casas de veraneio, imóveis de temporada e similares. A POF também não contempla posse de bicicletas por pessoas jurídicas, como lojas de aluguel e ciclologística”, explica a Glaucia.

5 capitais com maior número de bicicletas no Brasil


Com base na pesquisa elaborada por Glaucia Pereira, é possível verificar quais são as cidades brasileiras com maior número de bicicletas proporcionais ao número de habitantes.

1. Vitória (ES): 81.328 bicicletas - 23 bikes para cada 100 pessoas
2. Campo Grande (MS): 192.425 bicicletas - 22 bikes para cada 100 pessoas
3. Aracaju (SE): 124.674 bicicletas - 19 bikes para cada 100 pessoas
4. Goiânia (GO): 279.522 bicicletas - 19 bikes para cada 100 pessoas
5. Curitiba (PR): 336.873 bicicletas - 18 bikes para cada 100

O artigo da pesquisa de Glaucia Pereira com a estimativa de bicicletas no Brasil pode ser visto na íntegra contem o ranking completo das capitais e também dos estados separados por região.

Foto: Fabrício Macedo / Pixabay
Leia mais...

quinta-feira, 27 de maio de 2021

PL que pretende alterar CTB para disciplinar prioridade dos ciclistas no trânsito tramita na Câmara

Homem andando de bicicleta na rua


Neste mês de maio, começou a tramitar na Câmara dos Deputados o Projeto de Lei 1881/2021 que busca alterar o artigo 29 do Código de Trânsito Brasileiro (CTB) para disciplinar a prioridade dos ciclistas e presumir a culpa do condutor do veículo automotor.

Caso o PL, que é de autoria do deputado Márcio Marinho (Republicanos/BA), seja aprovado, "as bicicletas deverão ter preferência de circulação sobre os veículos automotores e considerar-se-á presumida a culpa do condutor do veículo em caso de acidente com ciclista, salvo prova em contrário".

A escolha de maio para apresentar o PL de alteração do CTB é revestido de grande simbolismo, visto que nesse mês a população é convidada à discutir a segurança viária por meio do movimento chamado 'Maio Amarelo', iniciado em 2014 para fomentar "uma ação coordenada entre o Poder Público, iniciativa privada e sociedade civil".

Sobre o projeto de lei, Marinho explica que "percebemos  uma crescente mudança de hábito do brasileiro em adotar a bicicleta como um meio de locomoção e até como um esporte a ser praticado" e indicou que é de fácil constatação o aumento de bicicletas em circulação em todo o Brasil.

De acordo com o estudo Cidades Cicláveis: avanços e desafios das políticas cicloviárias no Brasil, do Instituto de Pesquisa Economia Aplicada (Ipea), o Brasil conta com mais de 50 milhões de bicicletas e cerca de 41 milhões de carros. Ainda segundo o levantamento, aproximadamente 7% dos deslocamentos cotidianos é feito em bicicletas.

Segundo o deputado Márcio Marinho, "com o aumento do número de bicicletas circulando, percebeu-se também o aumento do número de acidentes envolvendo ciclistas – tanto acidentes leves quanto mais graves, levando a vítima à morte".

"O atual projeto que busca priorizar a circulação das bicicletas em detrimento de outros veículos automotores, bem como responsabiliza, de forma presumida, aqueles condutores que se envolverem em acidentes com bicicletas", explica.

"Quando o condutor de veículo automotor se envolver em acidente com bicicleta, ele será, presumidamente, o responsável pelo dano, salvo se comprovar a culpa do ciclista. Isso garantirá que os motoristas fiquem mais atentos e respeitem mais os ciclistas, reduzindo os acidentes e contribuindo para que o número de mortes no trânsito diminua", finalizou.

Foto: Eduardo Enrietti / Unsplash
Leia mais...

quarta-feira, 19 de maio de 2021

Saiba como participar da Copa do Mundo de MTB no Brasil, em 2022

Henrique Avancini competindo em avancini em Mont Saint Anne, agosto de 2019


Entre os dias 8 e 10 de abril de 2022 a Copa do Mundo de Mountain Bike será no Brasil, mas especificamente em Petrópolis, região serrana do Rio de Janeiro. O palco da prova será o São José Bike Club onde está o circuito Henrique Avancini.

Diante das muitas perguntas sobre como fazer para participar da Copa do Mundo de MTB no Brasil, em 2022, o organizador da Copa Internacional Michelin de Mountain Bike (CIMTB Michelin), Rogério Bernardes, e a  comissária da Union Cycliste Internacionale (UCI) e da Confederação Brasileira de Ciclismo (CBC), Regina Barbieri, falaram sobre algumas mudanças e esclareceram dúvidas.

Vale a pena lembrar que, para Petrópolis em 2022, vale a pontuação conquistada no calendário de 2021, portanto, a corrida para atingir os critérios já estão valendo. "Araxá deve ser o foco para quem planeja largar na Copa do Mundo no Brasil, em 2022", avalia Regina. Segundo ela, a prova de XCO, que será de 30 de julho a 1 de agosto, é a única prova na América Latina que tem pontuação Hors Class, o que significa que há distribuição de pontos até o 25º colocado.

"Isso é uma grande vantagem, porque quem fica em 11º ou 15º, por exemplo, ainda consegue acumular uma pontuação boa", explica. Ela também avisou que o Campeonato Brasileiro é uma excelente oportunidade de pontuação, sobretudo para atletas sub-23. "A UCI mudou a pontuação, e hoje, você pontua até o 10º colocado no short track do Brasileiro, sendo que, no ano passado era só até o 5º colocado. Além de ter aumentado a pontuação para 50 pontos para o primeiro, em comparação com 10 pontos no ano passado", lembra.

Regina explicou sobre os critérios para todas as categorias que participarão de Petrópolis 2022, que são a sub-23 e a elite tanto no feminino quanto no masculino (a categoria Júnior não correrá nessa etapa). Ela lembrou ainda, que além desses critérios, os atletas devem ser filiados à CBC e aptos a pontuar no ranking internacional. "É a CBC que cadastra esses atletas, então é importante lembrar desse detalhe".

A comissária ainda lembra que essas regras são revisadas anualmente pela entidade, então podem ocorrer mudanças até lá.

Sub-23 feminina


A UCI define que existem três formas de atletas sub-23 participarem das etapas da Copa do Mundo. A primeira é fazer parte de uma equipe UCI. A segunda é ter, no mínimo, 20 pontos no ranking internacional de XCO para poderem se inscrever na corrida de Petrópolis. Atualmente são duas essas atletas: Marcela Lima (Caloi Henrique Avancini Racing) e Laurien Miranda (Team Groove).

A terceira é ir como integrante da federação nacional. Segundo Regina, a seleção brasileira pode levar seis atletas normalmente, e como o Brasil está recebendo o evento, ganha o direito de ter mais seis competidoras em uma equipe B, somando 12 brasileiras no bolsão de largada pela seleção do Brasil, além das classificadas por pontos ou via equipe UCI. Caso as atletas não atinjam os critério da CBC, um número menor de competidoras pode ser convocado. Para saber quais os critérios para fazer parte da seleção brasileira de mountain bike em todas as categorias, acesse aqui.

Sub-23 Masculina


A entidade é mais criteriosa para esta categoria. Para alinhar em Petrópolis no ano que vem, o atleta precisa ter no mínimo 80 pontos no ranking da UCI. "É uma pontuação alta. Tanto que, atualmente, só um atleta brasileiro conseguiria largar por esse critério, que é o Gustavo Xavier", avalia Regina. Além disso, há a possibilidade de participar pela seleção, que em Petrópolis também terá direito a 12 atletas, seis principais e mais seis por ser a sede do evento, como na feminina.

Elite feminina e masculina


O critério é o mesmo para as duas categorias. É necessário ser federado na CBC, e ter um mínimo de 60 pontos no ranking UCI para competir com a camisa da equipe, uma pontuação menor que a sub-23. Outra possibilidade é ser convidado para correr pela seleção. No caso da Elite, não existe a equipe B, portanto, o Brasil pode ter até seis atletas competindo pela seleção na categoria mais alta em Petrópolis.

Foto de destaque: Bartek Wolinski / Red Bull Content Pool
Leia mais...

Indústria de bicicletas registra queda na produção em abril

Produção de bicicletas fábricas


Os fabricantes de bicicletas instalados no Polo Industrial de Manaus (PIM) registraram queda na produção no mês de abril e atribuem o impacto negativo à falta de insumos provocada pela pandemia do Covid-19.

De acordo com os números da Associação Brasileira dos Fabricantes de Motocicletas, Ciclomotores, Motonetas, Bicicletas e Similares – Abraciclo, em abril foram produzidas 51.281 bicicletas, volume 11,3% menor em comparação com as 57.843 unidades registradas em março do mesmo ano.

Na comparação com o mesmo mês no ano de 2020, quando houve a suspensão de operações na maioria das fábricas em decorrência da primeira onda do coronavírus na cidade de Manaus, houve alta de 409,2%. Naquele ano foram produzidas 10.071 bicicletas no PIM.

De acordo com o levantamento da Abraciclo, no primeiro quadrimestre de 2021 a produção totalizou 222.183 unidades, valor correspondente a um aumento de 22,8% em relação à quantidade de bicicletas produzidas no mesmo período no ano passado.

De acordo com o vice-presidente do segmento de bicicletas da Abraciclo, Cyro Gazola, o setor segue limitado pela falta de insumos que atinge toda a cadeia global de suprimentos. "Há falta de alguns componentes como sistemas de freios e de transmissões, por exemplo, que dificultam a montagem e gera a falta de alguns modelos no mercado", afirmou.

Gazola ainda avaliou que "a demanda por bicicletas continua alta e acreditamos que o fornecimento de peças será normalizado no segundo semestre deste ano".

Produção de bicicletas por categoria


Em abril, a categoria mais produzida foi a Mountain Bike (MTB), com 30.111 unidades e 58,7% de participação no mercado.  A categoria Infanto-Juvenil foi a que apresentou maior crescimento percentual. Foram fabricadas 4.867 bicicletas, alta de 103,5% na comparação com março (2.392 unidades).
Leia mais...

quarta-feira, 28 de abril de 2021

Fabricantes do Polo de Manaus produzem 57 mil bicicletas em março

Bicicletas armazenadas em fábrica

As fabricantes de bicicletas instaladas no Polo Industrial de Manaus (PIM) produziram 57.843 bicicletas em março. Segundo dados da Associação Brasileira dos Fabricantes de Motocicletas, Ciclomotores, Motonetas, Bicicletas e Similares – Abraciclo, o segmento segue impactado pela falta de insumos que atinge a indústria globalmente. Em março, o volume produtivo foi 3,1% maior que o registrado em fevereiro (56.078 unidades) e 6,9% superior às 54.115 bicicletas produzidas no mesmo mês do ano passado.


Ainda de acordo com levantamento da Abraciclo, no primeiro trimestre 170.902 bicicletas saíram das linhas de montagem, número bastante semelhante ao atingido no mesmo período do ano passado, que foi de 170.923 unidades.


A melhora da crise sanitária causada pela segunda onda da Covid-19 em Manaus permitiu que as fabricantes retomassem seus turnos regulares de trabalho. No entanto, a escassez de insumos impede que a produção volte ao ritmo mais acelerado.


O principal gargalo do setor é o fornecimento de peças e componentes. Cerca de 50% dos insumos são provenientes de fornecedores mundiais, principalmente do continente asiático. O vice-presidente do segmento de bicicletas da Abraciclo, Cyro Gazola, acredita que o abastecimento deverá ser normalizado no segundo semestre deste ano. “A partir daí, a produção deverá entrar numa curva ascendente. Esse processo, no entanto, será gradual, pois haverá necessidade de ajustar a capacidade das fábricas, o que requer um planejamento minucioso”, afirma.


Entre os componentes que estão em falta, destacam-se sistemas de freios, sistemas de transmissões, suspensões e selins. Gazola explica que a Abraciclo e suas associadas estão trabalhando com fornecedores locais para reduzir a dependência de fornecedores globais. No entanto, a indústria ainda é bastante dependente dos itens importados.


Produção de bicicletas por categoria


Com 39.771 unidades produzidas e 68,8% do volume total fabricado, a Moutain Bike (MTB) foi a categoria mais produzida em março, seguida pela Urbana/Lazer, que teve 14.191 bicicletas fabricadas (24,5% do total). Em termos percentuais, a Estrada foi a que registrou maior crescimento. Foram fabricadas, 1.067 bicicletas, o que corresponde a um aumento de 73,5% na comparação com fevereiro (615 unidades).

Leia mais...

domingo, 25 de abril de 2021

Proposta estimula uso de bicicleta pelo trabalhador durante pandemia

Bicicleta com máscara no guidão


O Projeto de Lei 2884/20 prevê que, durante a pandemia de Covid-19, o trabalhador que faz jus a vale-transporte e optar pelo uso de bicicleta poderá, sob condições, receber o valor em espécie.

Para aqueles que não têm direito ao benefício, o texto cria uma ajuda no valor de R$ 5 por dia de deslocamento.

A proposta, em tramitação na Câmara dos Deputados, insere o dispositivo na Lei 13.979/20, que definiu medidas para enfrentamento da emergência de saúde pública de importância internacional em razão da Covid-19.

“Devemos estimular que os trabalhadores se desloquem de forma mais segura possível”, disse o autor, deputado Hugo Leal (PSD-RJ). “Optamos por criar um estímulo financeiro temporário para incentivar o transporte por bicicleta”.

Tramitação


O projeto tramita em caráter conclusivo e será analisado pelas comissões de Trabalho, de Administração e Serviço Público; de Finanças e Tributação; e de Constituição e Justiça e de Cidadania.

Para dar sua opinião sobre o Projeto de Lei 2884/20 que estimula o uso de bicicleta pelos trabalhadores durante a pandemia, acesse https://forms.camara.leg.br/ex/enquetes/2253677.

Fonte: Agência Câmara de Notícias

Leia mais...

quarta-feira, 24 de março de 2021

Produção de bicicletas registra 56 mil unidades em fevereiro

Bicicletas da Sense dentro da loja


A indústria de bicicletas instalada no Polo Industrial de Manaus (PIM) produziu 56.078 unidades em fevereiro e segue impactada pela falta de insumos. De acordo com levantamento da Associação Brasileira dos Fabricantes de Motocicletas, Ciclomotores, Motonetas, Bicicletas e Similares – Abraciclo, o volume é 1,6% inferior ao registrado em janeiro (56.981 unidades) e 7,2% menor na comparação com as 60.398 unidades produzidas no mesmo mês do ano passado.


Ainda de acordo com dados da Abraciclo, foram fabricadas 113.059 bicicletas no primeiro bimestre de 2021, o que representa uma retração de 3,2% na comparação com o mesmo período de 2020 (116.808 unidades).


De acordo com o vice-presidente do segmento de bicicletas da Abraciclo, Cyro Gazola, o agravamento dos casos de coronavírus na cidade de Manaus, no início deste ano, foi a principal causa da queda de volume da produção. “Todas as fábricas precisaram readequar seus turnos de produção e ajustar as programações para atender à determinação do governo estadual que restringiu a circulação de pessoas para conter a pandemia”, comenta.


Outro fator que impactou no volume produtivo foi a falta de componentes e insumos. Na avaliação de Cyro Gazola o setor ainda deve sofrer com a escassez de peças até o terceiro trimestre deste ano. “A demanda por bicicletas cresceu no mundo todo e os fornecedores globais de componentes não conseguem atender aos nossos pedidos nem de outros países”, explica. “Cerca de 50% das peças de uma bicicleta são importadas. Há alguns anos, a Abraciclo e suas associadas vem trabalhando com fornecedores locais para reduzir essa parcela, no entanto, ainda somos muito dependemos dos componentes importados”, afirma o vice-presidente do segmento de bicicletas da Abraciclo.


Produção de bicicletas por categoria por categoria


A Mountain Bike (MTB) foi a categoria mais produzida em fevereiro, com 29.573 unidades e 52,7% do volume total fabricado. Em segundo lugar ficou a Urbana/Lazer (17.479 unidades e 31,2% do total fabricado). No terceiro lugar está a Infanto-Juvenil (6.975 unidades e 12,4% do total fabricado).


A categoria de bicicletas que mais cresceu em produção foi a Elétrica. Foram 1.436 unidades produzidas em fevereiro contra 182 em janeiro, o que representa um crescimento de 689%. Na comparação com o mesmo mês de 2020, o aumento foi de 101,1%. Na ocasião, foram fabricadas 714 bicicletas da categoria Elétrica.


No resultado do bimestre a MTB seguiu como a categoria mais produzida com 66.048 unidades e 58,4% do volume fabricado. Na sequência vieram a Urbana/Lazer (35.631 unidades e 31,5%) e Infanto-Juvenil (8.424 unidades e 7,5%).

Leia mais...

quarta-feira, 17 de março de 2021

Senado adia votação que cancela redução de imposto na importação de bicicletas

Sinalização de ciclofaixa pintada no chão


O Senado Federal adiou a votação do projeto que cancela a resolução do governo federal que diminui o imposto de importação de bicicletas. O Projeto de Decreto Legislativo (PDL) 87/2021 foi apresentado pelos senadores bancada do Amazonas e conta com parecer favorável do relator, senador Omar Aziz (PSD-AM).


ATUALIZAÇÃO: Governo recua e anula medida que reduzia imposto de importação de bicicletas


A resolução 159 do Comitê-Executivo de Gestão (Gecex) da Câmara de Comércio Exterior (Camex) foi anunciada pelo presidente da república, Jair Bolsonaro (sem partido), em 17 de fevereiro e foi publicada no Diário Oficial da União no dia seguinte.


A medida reduz a alíquota do imposto de importação de bicicletas de forma progressiva, de 35% para 20% até o fim de 2021.


De acordo com matéria publicada no site do Senado, os autores do PDL, senadores Eduardo Braga (MDB-AM), Omar Aziz e Plínio Valério (PSDB-AM), dizem que a medida do governo grande risco de desindustrialização para o setor, com incentivo de substituição da capacidade produtiva interna. Para eles, o setor de bicicletas é decisivo para a geração de empregos em Manaus.


Ainda segundo site do Senado, o relator afirmou que 18 estados brasileiros têm indústrias de bicicleta e que todos estão perdendo empregos e mercado com a diminuição do imposto para bicicletas importadas.


O adiamento da votação foi pedido por Eduardo Braga, já que a resolução pode ser revista pelo governo em reunião nesta quarta-feira (17).


Com informações de Agência Senado

Leia mais...

quinta-feira, 18 de fevereiro de 2021

Imposto de importação de bicicletas vai cair três vezes em 2021

Será que agora o preço das bicicletas vai cair?

Imagem referencial. Foto: Christin Hume/Unsplash

Foi publicada no Diário Oficial da União desta quinta-feira, 18 de fevereiro, a redução do imposto de importação de bicicletas, que atualmente é de 35%.


A medida havia sido anunciada no dia anterior pelo presidente da república, Jair Bolsonaro (sem partido), nas redes sociais.


Com a resolução, o imposto sobre a importação de bicicletas que era de 35%, sofrerá uma queda, indo para 30% em no primeiro dia de março de 2021. Em 1º de julho do mesmo ano haverá nova redução: o imposto irá para 25%.


A partir de 1º de dezembro de 2021, as bicicletas sairão da Lista de Exceções à Tarifa Externa Comum (TEC) e nova queda do imposto de importação do produto irá ocorrer, indo a alíquota para 20%.


Redução de impostos, seja bem-vinda. Esperamos que a queda dos preços venha junto!

Leia mais...

segunda-feira, 8 de fevereiro de 2021

Brasil sediará Copa do Mundo de Mountain Bike em 2022

Henrique Avancini na etapa Petrópolis da CIMTB/2019. Foto: Davi Corrêa

A CIMTB Michelin em parceria com a Confederação Brasileira de Ciclismo (CBC) organizará a abertura da Copa do Mundo de Mountain Bike, entre 8 e 10 de abril de 2022, em Petrópolis, Rio de Janeiro. O evento que acontece em vários continentes, retorna ao Brasil após 17 anos para expandir o esporte e incentivar a prática do ciclismo em diferentes regiões do mundo.


As provas oficiais, de XCO (Cross Country Olímpico) e XCC (short Track), ocorrerão na cidade natal do primeiro brasileiro a vencer uma etapa da Copa do Mundo, Henrique Avancini, que também é um dos responsáveis pela conquista.


“Desde 2017 ou 2018 já existia um desejo muito grande da UCI, da Red Bull e dos nossos parceiros de trazer o evento para o Brasil. Eu participei muito no sentido de buscar um organizador que atendesse às exigências da UCI. Eles requisitaram que, se fosse vir para o Brasil, teria que ser na minha cidade. O Rogério [ Bernardes ] topou o desafio, o que gabaritou ainda mais a confiança deles”, conta Avancini.


A CIMTB Michelin já organizou mais de 70 eventos internacionais da UCI em sua história e uma etapa da Copa do Mundo de Mountain Bike Eliminator (XCE) em Congonhas, em 2018.


“É uma conquista coletiva. Tanto minha, que venho crescendo como atleta, para a CIMTB Michelin como organizadora e para todo o contexto do ciclismo no Brasil, que tem se tornado uma potência mundial do esporte”, completa.


As etapas da Copa do Mundo de Mountain Bike são competições muito disputadas por organizadores no mundo inteiro. De acordo com a União Ciclística Internacional (UCI), órgão máximo do esporte, os maiores eventos da UCI chegam a gerar mais de 200 milhões para os negócios locais.


Disputa entre Avancini e Cocuzzi na CIMTB, em Petrópolis. Foto: Davi Corrêa


“Essa conquista representa muito não só para nós e para o Henrique, mas para o ciclismo brasileiro, que será mais uma vez o centro do mapa mundial do esporte em 2022. Vamos fazer o melhor trabalho possível para que a Copa do Mundo não saia nunca mais do Brasil. E tenho certeza que a torcida brasileira vai eletrizar e fazer história”, conta Rogério Bernardes, organizador da CIMTB Michelin.


O mercado brasileiro de ciclismo vem crescendo de forma estável já há alguns anos. Segundo a Abraciclo, o crescimento da produção no Brasil em 2020 foi de 12,8%, com um total de 750 mil bicicletas fabricadas. Um dos motivos desse aumento é a bike entrando no dia a dia do brasileiro durante a pandemia.


“A importância de trazer uma Copa do Mundo de uma modalidade olímpica para o Brasil é sem precedentes. Estamos todos muito felizes, foram meses de muita dedicação, enfrentando várias reuniões na União Ciclística Internacional e agora recebemos essa incrível notícia da aprovação. Será uma oportunidade única para mostrarmos a força do Mountain Bike brasileiro para o mundo inteiro. Não tenho dúvidas que iremos mais uma vez entregar o nosso melhor, dentro e fora da pista, deixando um grande legado para o nosso país, assim como fizemos no Mundial de Paraciclismo em 2018, que se tornou referência na UCI”, comentou José Luiz Vasconcellos, presidente da Confederação Brasileira de Ciclismo.

Leia mais...

terça-feira, 22 de outubro de 2019

Brasil Ride 10 anos: Ferreira mantém hegemonia da etapa 2 ao lado de Becking e dupla é nova líder

Foto: Brasil Ride

Guaratinga (BA) - A segunda etapa da décima edição da Brasil Ride foi marcada pela alternância dos líderes nas disputas das elites masculina e feminina. Apesar do início de dia chuvoso em Porto Seguro (BA), o forte calor foi predominante, principalmente na região de Itabela e Guaratinga. Entre os homens, vitória de Tiago Ferreira (POR) e Hans Becking (HOL), da DMT Racing Team, com mais de 5 minutos de vantagem para Jaroslav Kulhavy (CZE) e Matous Ulman (CZE), da Specialized Racing, e Henrique Avancini (BRA) e Manuel Fumic (ALE), Cannodale Factory Racing XC.


Ferreira e Becking, que estavam em terceiro lugar após o prólogo, completaram a etapa em 5h10min49. Com o tempo, conquistaram a camisa amarela, com 4min27 de vantagem para Avancini e Fumic, que concluíram em5h16min26. "A etapa foi boa. A estratégia pré-definida nós não temos, porque tudo pode acontecer. Aproveitamos todos os momentos possíveis para fazer a diferença. Se não me engano no km 80, em subidas novas, forçamos o ritmo e quebramos o pelotão. A partir daí, fomos ganhando vantagem", contou o português.

Além da vitória, Tiago Ferreira confirmou sua hegemonia na etapa, tendo vencido a disputa todas as vezes desde que a Brasil Ride foi disputada no extremo Sul da Bahia. "Não planejamos as demais etapas. Nosso único objetivo é ganhar. Então vamos tentar todos os dias e o que for, será. Não vamos focar demais em um plano ou outro. Este ano a etapa foi bastante diferente, muito singular. É bom ter ganhado as quatro etapas que ligaram Arraial até Guaratinga", complementou Ferreira.


"Em uma etapa como essa você tem que esperar e seguir seus instintos. O início era lento quando o grupo estava grande e sabíamos que o final era forte, ou seja, devíamos salvar energia o máximo possível. O Tiago começou a forçar o ritmo e é o meu trabalho segui-lo. Fiz o meu melhor até o fim e estamos felizes com esse resultado", comemorou Hans Becking.

Tricampeão da Brasil Ride, o experiente Avancini avaliou a etapa. "Tivemos um pouco mais de trilhas em relação aos anos passados. Não eram tão técnicas, mas puxou a velocidade média um pouco para baixo. Diria que foi a etapa mais quente da Brasil Ride que eu já pedalei. O calor era surreal. O pelotão teve um ritmo mais moderado até o km 50 e aí começaram ataques. Abrimos com o Hans e o Tiago, mas na última parte mais fluída do percurso perdemos contato. Tentamos perseguir eles, mas não foi possível, então Kulhavy e Ulman chegaram até nós, para trabalharmos para minimizar a distância para os vencedores. Senti bastante o calor nos 10 km finais e aí demos sorte de ficar na roda dos dois tchecos", avaliou Avancini.


Elite feminina - A disputa das mulheres seguiu a toada da masculina, com novas líderes. Em segundo lugar na etapa, Jaqueline Mourão e Danilas Ferreiras (Sense/Tropix) assumiram a liderança e agora vestem a camisa laranja. Já Viviane Favery e Tania Clair Piclker (Cannondale Brasil Racing / Soul), vencedoras do dia, são neste momento as segundas no geral e líderes das Américas. "Ganhar essa etapa é algo indescritível. Focamos em fazer nossa prova, em nossa intensidade, considerando que era a segunda de sete etapas. Respeitamos uma a outra e a comunicação foi fundamental. Decisões inteligentes em quase 7 horas de prova, vencendo no sprint final. Emocionante mesmo", afirmou Vivi Favery.

"Etapa mais longa da Brasil Ride e, chegando da Grécia, foi uma surpresa conseguir competir na Brasil Ride. Estou feliz demais de estar aqui. Consegui uma parceira no último minuto e contente em conseguir a liderança. Foi uma prova mental, em que o programa alimentar fez a diferença, com bastante energia o tempo todo. Há muita água para rolar, mas estamos muito felizes. Chuva no início, trânsito no primeiro single track e trabalho intenso para alcançar a Vivi e a Tânia", disse Jaqueline Mourão.

Resultados - Etapa 2 –Arraial d’Ajuda – Guaratinga – 143 km


Masculino
1- Tiago Ferreira (POR) / Hans Becking (HOL) – 5h10min49
2- Jaroslav Kulhavy (CZE) / Matous Ulman (CZE) – 5h16min24
3- Henrique Avancini (BRA) / Manuel Fumic (ALE) – 5h16min26
4- Kristian Hynek (CZE) / Martin Stosek (CZE) – 5h18min18
5- Edson Rezende Jr. (BRA) / Nicolas Sessler (BRA) – 5h18min18

Feminino
1- Viviane Favery (BRA) / Tania Clair Pickler (BRA) – 6h54min35
2- Jaqueline Moura (BRA) / Danilas Ferreira da Silva (BRA) – 6h54min36
3- Raiza Goulão (BRA) / Angelita Parra (COL) – 7h00min16
4- Karen Olímpio (BRA) / Ilda Pereira (BRA) –7h04min29
5- Letícia Cândido (BRA) / Hercília Najara (BRA) – 7h12min03

Acumulado - após 2 etapas


Masculino
1-Tiago Ferreira (POR) e Hans Becking (HOL) - 5h55min41
2-Henrique Avancini (BRA) e Manuel Fumic (ALE) - 6h00min14
3-Kristian Hynek (CZE) e Martin Stosek (CZE) - 6h04min09
4-Jaroslav Kulhavy (CZE) e Matous Ulman (CZE) - 6h05min07
5-Edson Resende (BRA) e Nicolas Sessler (BRA) -  6h05min17

Feminino 
1-Jaqueline Mourão (BRA) e Danilas Ferreira (BRA) - 7h54min09
2-Viviane Favery (BRA) e Tania Clair Piclker (BRA) - 7h55min00
3-Raiza Goulão (BRA) e Angelita Parra (COL) - 7h59min45
4- Karen Olímpio (BRA) / Ilda Pereira (BRA) –8h05min05
5- Letícia Cândido (BRA) / Hercília Najara (BRA) – 8h09min14

Leia mais...
 
Copyright © 2021 Foto e Bike • Direitos reservados | Escreva-nos: blogfotoebike@gmail.com
Template Design by BTDesigner • Powered by Blogger
back to top